Tocantins - 26/07/2021 - 20:36

Coordenadoria de Cultura realiza mapeamento de artistas aparecidenses

Postado em 12/02/2021

Compartilhe no:

A valorização da cultura e dos artistas locais é um dos objetivos da atual gestão. A coordenadora de Cultura Marize Macedos tem realizado trabalho de mapeamento dos artistas. O jornal Folha do Jalapão visitou alguns dos artistas já mapeados.

A riqueza dos detalhes das mãos que fabricam, das peças do trabalho executado manualmente, do talento de tantos aparecidenses que são verdadeiros artistas. Assim, a nova gestão da Prefeitura Municipal de Aparecida do Rio Negro tem concentrado esforços que visam valorizar e ampliar as atividades culturais do Município. O prefeito Suzano Lino tem como um de seus principais compromissos a organização cultural da Cidade e dos artistas em todas as suas vertentes.

O trabalho de mapeamento cultural vem sendo realizado pela coordenadora de Cultura e Arte, Marize Macedos. A coordenadoria é pertencente à Secretaria Municipal de Educação, e conta também com a auxiliar Vanuza Cursino.

“O pedido do prefeito Suzano foi para realizarmos projetos para a cultura em parcerias com as secretarias municipais. Ele nos deu abertura para este trabalho, mas também acompanha e nos cobra resultados. Estamos visitando e conhecendo os artistas, artesãos, realizando este reconhecimento, mapeamento”, ressalta a coordenadora Marize.

A equipe da cultura está realizando as visitas aos artistas e artesãos, com o intuito de preencher o cadastro de cada um. O trabalho teve início neste mês e já conta com muitas artistas cadastrados, como explica a coordenadora. “Percebemos que a riqueza cultural do nosso Município é muito maior do que imaginávamos. Existem muitas pessoas e a gente se emociona ao ver que até sobrevivem com o trabalho. Nosso intensão é que, a depender da pandemia, possamos realizar feiras culturais, feira gastronômica, quinta cultural e até um espaço voltado para a cultura”, disse.

Visitas

Aparecida do Rio Negro possui diversos artistas que executam trabalhos profissionais e amadores. O Jornal Folha do Jalapão mostra alguns destes artistas, que representam tantos outros que se dedicam a diferentes técnicas.

O artista plástico Gedeon Tavares é veterano na arte de pintar lindíssimas telas. Gedeon iniciou no mundo da arte aos 15 anos, e já há 20 encanta o mundo todo com belos trabalhos. O artista aprendeu a pintar com dona Isa, empresária aparecidense que também ensinou outros jovens. “A gente espera muito ser mais valorizado em nossa terra, afinal, já morei em 12 estados, e hoje me dedico ao trabalho aqui em Aparecida”, conta.

Ao lado da esposa, Gedeon mescla diferentes tonalidades em telas que apaixonam pela riqueza dos detalhes, seja com flores, abstratos, e até lindas africanas. O artista envia trabalhos sob encomenda para todos os estados do Brasil. A arte aparecidense chega também a outros países, como Portugal, Espanha, Inglaterra e Estados Unidos. “Todas as nossas telas hoje já estão vendidas, feitas por encomenda e graças a Deus temos muito trabalho”, ressalta Gedeon.

Como ele, vários outros artistas plásticos, de forma profissional ou pela paixão pela arte de pintar, elaboram lindos trabalhos.

Os jardins floridos são a paixão de dona Maria Bezerra. Os vasos fabricados por ela embelezam casas, fachadas, jardins de diversos locais. Além dos vasos de concreto de variadas formas, tamanhos e cores, a artista também se dedica ao pequeno viveiro em sua casa, que já atrai muitos olhares. “Há nove meses iniciei este trabalho aqui em Aparecida, e penso em ampliar, em melhorar já que a procura tem sido grande. Receber essa motivação é muito importante para nós”, ressalta.

Dona Maria agrega ao vaso, feito por encomenda, lindas plantas de diversas espécies, conforme solicitado pelo cliente. O viveiro conta com horta, samambaias, flores, mas a especialidade da artesã são as flores do deserto, sucesso entre os amantes da jardinagem. 

“O artesanato nos ajuda tanto, não só financeiramente, mas de várias formas. Me curei de uma forte depressão ao fazer os vasos, com o incentivo da família, dos amigos. Só tenho a agradecer a todos que ajudam, que encomendam e também nos visitam para conhecer”, comemora a artesã.

Outro artesanato comum a muitas casas aparecidenses é o crochê. No entanto, o ponto certo em cada detalhe já é conhecido: seu Assis Arrais, de 61 anos, faz tapetes em crochê. A beleza das cores e a perfeição das peças chama a atenção. “Aprendi há uns 10 anos, se estou em casa faço até duas peças por dia, a maioria vendo a pronta entrega de casa em casa”, explica seu Assis.

Hoje aposentado, a renda da venda dos tapetes auxilia muito nas despesas de casa. “Há pouco tempo me aposentei, mas antes era somente os tapetes e a minha venda de bananas. Agora com esse cadastro a gente aguarda que as coisas possam melhorar mais para nós, já que a gente depende disso”, conclui.

Compartilhe no:

Relacionados