Tocantins - 17/06/2021 - 01:46

Dr. João busca uma vaga na Assembleia Legislativa

Postado em 08/05/2018

Compartilhe no:

Ex-prefeito de Rio Sono, Dr. João destaca a necessidade de representação da região no legislativo para promover o desenvolvimento das cidades

Filho de família tradicional da cidade de Rio Sono, Dr. João Rocha renunciou ao cargo de prefeito do município para pleitear uma vaga na Assembleia Legislativa nas eleições de outubro. Conhecedor da realidade dos municípios, Dr. João acredita que o momento é oportuno para a renovação política e para o surgimento de novos nomes nas disputas eleitorais.

Filiado ao PMB, o ex-prefeito destaca que sua experiência como gestor de um município pequeno o credencia a buscar contribuir no legislativo, principalmente com foco no desenvolvimento das cidades, o que impacta diretamente na vida da população. “Tive oportunidade de me eleger como prefeito de Rio Sono e me deparei com dificuldades e com essa realidade que não é apenas de lá, mas das cidades de pequeno porte. Meu interesse em buscar uma vaga na Assembleia é que as leis têm que mudar, fazer com que aconteça uma desburocratização do estado para que os benefícios cheguem nos municípios e em nossa região”, frisou.

Ter integrado a diretoria da Associação Tocantinense de Municípios (ATM) foi uma experiência que contribuiu para conhecer melhor a realidades das cidades tocantinenses. “A convivência com prefeitos me fez ver a necessidade de ter um representante na Assembleia com esse enfoque. Tomei essa decisão, pois é fundamental ter essa representatividade, não apenas o Jalapão em si, mas as cidades do centro também, como Tocantínia, Lajeado, Pedro Afonso, Bom Jesus, Itacajá, Recursolândia. Toda essa região não tem uma representação e é a menos desenvolvida do estado. A falta de um representante local é o que justifica a nossa intenção em concorrer”, avaliou.

O pré-candidato ressaltou que a vivência no Executivo é essencial para quem pretende buscar uma vaga no Legislativo. “Poucos deputados que estão aí tiveram experiência de gerir uma cidade pequena, que são a maior parte dos municípios do nosso estado. Sempre tivemos apoios na região, mas não queremos só apoios pontuais, queremos asfalto, infraestrutura, não só ajuda momentânea. Queremos soluções definitivas. Estradas com boas condições, incentivos para o desenvolvimento do agronegócio. Precisamos de solução definitiva, para que a gente fique em pé de igualdade com outras regiões do estado”, reforçou.

 

Propostas
Para Dr. João, caso seja eleito, a primeira atitude será levantar a discussão na Casa por ações que cheguem de forma mais efetivas nas cidades. “É preciso formar uma frente parlamentar, discutir e realizar estudos para mudar a forma de divisão dos recursos, a destinação dos recursos do estado para os municípios que só recebem FPM [Fundo de Participação dos Municípios]. É necessária uma adequação fiscal e a descentralização na gestão desses investimentos. Uma legislação que torne os municípios mais fortalecidos”, avaliou.

“Hoje é fácil falar em discurso municipalista, principalmente quem não conhece o Executivo, só teve vida legislativa. Não conhece a fundo a realidade das cidades pequenas, que são a maioria das nossas cidades, que não têm arrecadação própria. E assim vemos prefeitos correndo atrás de recursos para gerar benefícios às cidades. Rio Sono é um dos mais problemáticos, muito grande, com poucos recursos, sem condições de arrecadação própria. Apesar do pouco tempo, passamos por uma realidade que nos credencia a galgar esse novo passo, essa vaga na Assembleia”, ressaltou Dr. João.

O pré-candidato ainda defendeu investimentos em áreas prioritárias, como Saúde e Educação. “Em uma visão de todo o estado precisamos dar atenção a algumas áreas como a saúde, descobrir por que as coisas não andam, por que há tantos problemas, onde os recursos estão sendo investidos, por que os hospitais não estão adequados. Hoje a atenção básica nos municípios vai bem, a maior parte dos municípios tem postos de saúde, profissionais, mas quando parte para a área do Estado você não consegue ter atendimento com especialista, fazer um exame de alta complexidade. No Hospital de Miracema mesmo tem profissionais, mas não tem um tomógrafo e os pacientes precisam ser encaminhados para Palmas, enchendo assim o HGP. Temos hospitais regionais, é preciso dar condições para que a população seja atendida de forma satisfatória”, apontou.

 

Cenário
Ao avaliar o cenário e a própria disputa, Dr. João afirma que o momento é favorável a novas candidaturas. “É tempo de idéias novas, de traçar um caminho novo. Acredito que tudo fala a favor, é o tempo de renovação política, momento político aberto, onde não tem mais polarização. A população está mais atenta para identificar quando o político é ficha limpa, não está envolvido em ilicitudes e a grande arma da população é o voto”, enfatizou.

Sobre a eleição suplementar que será realizada no dia 03 de junho, o pré-candidato avaliou, “gera uma perda de confiança a nível nacional para a vinda de investidores e insegurança jurídica, porém a lei está sendo cumprida, os fatos sendo apurados e os envolvidos responsabilizados”.

 

Jalapão
Conhecedor da região, Dr. João avalia o Jalapão como um território com muito potencial. “A gente sofreu um boom agora com o turismo, nossa região não estava preparada. Temos 30 anos de atraso. O turismo tem sido explorado mais no Parque do Jalapão e é preciso uma política para expandir isso para os outros municípios para um desenvolvimento integrado e equilibrado. Outro potencial é o agronegócio, já temos hoje grandes empresas nacionais que estão prontas para investir, mas esperam a infraestrutura, a estrada”, apontou.

As dificuldades que o Jalapão enfrenta, principalmente no acesso, foram destacadas. “Não existe na Secretaria de Infraestrutura projetos para a construção das TO’s que cortam nossa região, como a que liga Novo Acordo a Lizarda, de Rio Sono a Pedro Afonso, não tem nem projeto ou previsão para pavimentação. O Tocantins tem 30 anos, a nossa região central é próxima e menos desenvolvida. O Bico do Papagaio, que está bem mais longe da Capital, está mais desenvolvido e nós, bem mais próximos, com tantas potencialidades, ainda amargamos tantos problemas. Há a necessidade de representação na Assembleia para ampliar esse debate. Precisamos de ações definitivas a médio e longo prazo”, defendeu.

 

Atitude
Aos 39 anos, Dr. João é médico por formação e viu na política a possibilidade de mudar a realidade de sua cidade e até mesmo de todo o estado.  Sua família é tradicional na política e desde muito novo acompanhou sua mãe Deusdivina Rocha e seu pai, Claudionor Soares Rocha que desempenharam cargos eletivos como o de prefeito, vice-prefeito e vereador.

“Cresci inserido na discussão política, no cenário político. Me formei em medicina pela Universidade Federal de Goiás e fiz especialização em Cirurgia Geral pelo Hospital de Urgência de Goiânia. Voltei para disputar eleição e buscar dar a minha contribuição para a cidade e região. Todo bom político se doa para a causa e eu decidi abrir mão da vida profissional e pessoal para dedicar uma parcela da minha vida a esse compromisso”, afirmou.

Dr. João ainda destaca que sua renúncia ao cargo de prefeito foi feita de forma planejada e com responsabilidade. “Tive mandato de 15 meses, saí por que a gente consegue ver que precisa buscar algo maior, e também confiando na capacidade do vice-prefeito Itair Martins em dar continuidade ao planejamento inicial que foi feito, dentro de uma programação. A equipe que fica dará continuidade ao trabalho e às diretrizes que montamos para os quatro anos e isso me permite ir com tranqüilidade para essa disputa. Não fiz nada de forma irresponsável, mas dentro da perspectiva de resultado positivo”, informou.

O pré-candidato destaca que pretende percorrer todos os municípios do estado. “A campanha deve ser feita no estado inteiro. A gente fala regionalmente, mas a partir do momento que a gente faz essa opção de concorrer a uma vaga na Assembleia é para trabalhar no estado inteiro, então eu pretendo levar nossas propostas aos 139 municípios e fazer parte desse trabalho, lógico que tratando de forma carinhosa a nossa região do Jalapão, onde cresci e conheço de perto as dificuldades”, finalizou.

Compartilhe no:

Relacionados